Um mundo debaixo da terra

Visitar túneis, cavernas e refúgios subterrâneos pode ser bem mais interessante do que parece. Conheça lugares imperdíveis em que a pedida é explorar o subsolo

06 de Junho | Akumal, Orlando, Paris, Wieliczka, Berlim, México, Estados Unidos, Austrália, França, Polônia, Alemanha | por Danielle Motta

Rio sagrados dos maias

Aktun Chen Natural Park, Akumal, México

Os povos maias sempre acreditaram que os cenotes, as bocas de rios subterrâneos, faziam a ligação com o mundo dos mortos. Não existe nada que comprove tal crença, claro. Mas é certo que há mais de mil desses poços de água verdinha (e congelante!) espalhados pela Riviera Maia. Um deles tem uma beleza especial: é o cenote do Aktun Chen Natural Park, situado a quatro quilômetros da cidade mexicana de Akumal. Ele fica dentro de uma caverna de 600 metros de comprimento – uma das maiores da região –, rodeado por estalactites e estalagmites que se formaram em cinco milhões de anos. Dá para apreciar a exótica paisagem a pé no tour guiado de quase duas horas, em uma jornada que começa com a visita a um serpentário e termina com um banho refrescante no cenote Aktun-chen, de 12 metros de profundidade. A experiência inclui um mergulho com snorkel para ver de pertinho essas incríveis formações.

»»indiana-joes.com

Túneis da Disney

Magic Kingdom, Orlando, EUA

Quem vai ao Magic Kingdom, em Orlando, costuma ficar intrigado com o fato dos personagens aparecerem, como em um passe de mágica, de um lugar para outro. Por um bom tempo, inclusive, esse foi um dos grandes mistérios que rondou o parque da Disney. Depois de muitas especulações, o segredo foi revelado: a façanha é possível graças à existência de um extenso sistema de passagens subterrâneas, com 36.418 metros quadrados, que permite aos funcionários se deslocarem de maneira rápida e discreta. Os túneis são tão grandes que acomodam veículos, escritórios, refeitórios, salas de reuniões e de descanso e tudo o que não deve ficar à vista do público. Mas ninguém percebe nada, já que o acesso a eles é feito por um monotrilho. Só não é permitida a entrada de menores de 16 anos nos túneis (o acesso para adultos é feito com permissão especial). Isso impede que a garotada veja dois Patetas caminhando juntos, o Mickey sem a cabeça ou a Ariel almoçando com a Branca de Neve...

»»disneyworld.disney.go.com

 

Uma cidade subterranean de verdade

Coober Pedy, Austrália

Você conseguiria imaginar uma cidade construída debaixo da terra? Pois bem, ela existe e fica no sul da Austrália, a 850 quilômetros de Adelaide. A pequena Coober Pedy, de apenas 3.500 habitantes, faz jus ao nome que recebeu: na língua aborígene kupa-piti, significa “buracos para homens brancos”. E ela é em boa parte assim, repleta de casas, museus, galerias de arte, lojas, hotéis e até igrejas construídas no subsolo. Essa foi a forma que os moradores encontraram para resistir às temperaturas sempre nas alturas do Outback, o deserto australiano. Curiosamente, também é dessa maneira que eles exploram as minas de opala, um mineral de coloração azulada muito comum na região. A preciosidade rendeu a Coober Pedy o título de Capital da Opala – estima-se que 70% da extração mundial é realizada no vilarejo.

 

A maior necrópole do mundo

Les Catacombes, Paris, França

No final do século 18, o maior cemitério de Paris precisou ser fechado por um motivo curioso: a lotação era tanta que a população vizinha a ele começou a adquirir doenças causadas pela contaminação dos corpos em decomposição. O jeito, então, foi transferir as ossadas enterradas ali para os túneis e cavernas construídos no subsolo da capital francesa nos tempos da ocupação romana. Desde 1867, esse ossuário está aberto ao público nas Catacumbas de Paris. Elas são consideradas a maior necrópole do mundo: são mais de 400 quilômetros de extensão – 1,7 quilômetro destinado à visitação –, onde repousam os ossos de seis milhões de pessoas. Você seria capaz de encarar?

»»catacombes.paris.fr

 

Tudo feito de sal

Mina de Sal de Wieliczka, Wieliczka, Polônia

Uma mina de sal do século 13, desativada somente em 2007, virou a principal atração da cidade de Wieliczka, próxima a Cracóvia. O motivo são as suas dezenas de estátuas, os lustres, as três capelas e até uma catedral – tudo, acredite, esculpido inteiramente no sal, 327 metros abaixo da superfície. Para chegar ao “fundo do poço”, é preciso pegar um elevador, que leva 30 segundos para acessar os 287 quilômetros de cavernas e passagens subterrâneas exploradas por quase 800 anos. Parte desse espaço abriga, ainda, uma concorrida sala dedicada à realização de casamentos e um centro de haloterapia (que utiliza as propriedades do sal para tratamentos de bem-estar). Na Segunda Guerra Mundial, a mina também foi usada como fábrica de aviões do governo polonês.

»»wieliczka-saltmine.com

 

Abrigo antibomba alemão

Bunker Nuclear, Berlim, Alemanha

Entrar no Bunker Nuclear de Berlim chega a dar arrepios. O refúgio construído em 1971 para abrigar os berlinenses em caso de um ataque nuclear à cidade durante a Guerra Fria é escuro, úmido e um tanto fantasmagórico. Mas vale a pena visitá-lo para conhecer as condições em que a população permaneceria isolada do mundo se fosse alvo de mísseis e bombas nos anos mais obscuros da história alemã. No passeio, você vai ver uma sala com as máscaras contra gases que seriam distribuídas aos abrigados e a sala de descontaminação, em que todos deveriam passar obrigatoriamente por uma ducha gelada para retirar qualquer resquício de substância química. Também vai percorrer corredores com 3.600 camas espremidas uma em cima da outra, a cozinha onde estão os kits de comida desidratada e uma pequena academia de ginástica improvisada. A todo instante, sinais sonoros de alerta e vozes saem de auto-falantes e simulam como seria o dia a dia sombrio ali dentro. O bunker está integrado ao Story of Berlin, um museu que esmiúça os 800 anos do passado da cidade.

»»story-of-berlin.de

COMENTÁRIOS

NA REDE